Marc Hochar, do Château Musar, comanda evento em São Paulo

Assessoria Mistral

05/06/2013

Produtor Marc Hochar, 3ª geração da família à frente do Château Musar – maior estrela do Líbano e um dos grandes nomes do mundo do vinho –, comanda jantar harmonizado no Arola-Vintetres dia 11 de junho


Château Musar, um ícone do Líbano

Localizada no Vale do Bekaa, uma das mais antigas regiões produtoras de vinho da história, a propriedade foi responsável pela volta do Líbano ao mapa da vitivinicultura moderna

Com uma filosofia não intervencionista e uma produtividade minúscula, decorrente de uma maturação muito lenta e plena dos bagos, o château dá origem a vinhos exclusivos e de muita personalidade

A importadora Mistral traz ao Brasil o produtor de vinhos libanês Marc Hochar, membro da terceira geração da família à frente do Château Musar, um dos maiores nomes do mundo do vinho e responsável pela volta do Líbano (onde o cultivo de uvas data de mais de seis mil anos) ao mapa da vitivinicultura moderna.

March Hochar, a nova geração do Château Musar

Braço-direito de seu pai, Serge Hochar – primeiro “Homem do Ano” eleito pela revista Decanter, em 1984 –, no comando da propriedade, ele participa de um jantar harmonização com os grandes rótulos de sua vinícola no dia 11 de junho, terça-feira, às 20h30, no restaurante Arola-Vintetres (Tivoli Mofarrej).

No evento, serão degustados cinco vinhos produzidos pelo Château Musar, incluindo duas safras antigas trazidas especialmente para o jantar. São eles:

• Musar Jeune Rosé 2010
• Château Musar Cuvée Rosé 2008
• Château Musar Blanc 1999
• Château Musar rouge 2005
• Château Musar rouge 1998

Acompanhando a sobremesa, também será servido o vinho Le Pins Monbazillac 2005, do produtor Château Tirecul la Gravière.

Para harmonizar com os vinhos, o chef Sergi Arola desenvolveu um menu especial para a noite, que é composto pelos seguintes itens:

•Aspargos verdes e brancos com manga e flores
•Ravióli de pollo orgânico, com canela e caldo thai
•Paleta de cordeiro a baixa temperatura,
•Remolacha 1.2.3 e canelone de queijo fresco
•Ibérico Confitado e Quenelle de Batatas
•Maçã com iogurte e caramelo




CHÂTEAU MUSARUma das grandes relíquias do mundo do vinho, com seu estilo único, conta com uma legião de admiradores, que há décadas o consideram um tesouro escondido. “Sempre os achei fascinantes”, afirma o crítico norte-americano Robert Parker.

Localizado no famoso Vale do Beka, no Líbano, o Château Musar representa a tradição dessa região milenar

A propriedade está localizada em uma das mais antigas regiões vitivinícolas da história da humanidade, o Vale do Bekaa, mencionado na Bíblia e onde o cultivo das uvas já era praticado há seis mil anos. Suas videiras, quase centenárias, estão plantadas em pé franco em um solo rico em calcário e a uma altitude média de 1000 metros, o que promove uma maturação muito lenta e plena dos bagos e resulta em uma produtividade minúscula.

Outro fator que proporciona personalidade e exclusividade aos vinhos é a filosofia não intervencionista de produção, que parte do pressuposto de que cada safra é única. O Château Musar tinto e o branco, por exemplo, são lançados no mercado apenas sete anos após a colheita.

Para Eric Asimov, crítico do The New York Times, são todos vinhos “notáveis”. O tinto, um corte de Cabernet Sauvignon com Cinsault e Carignan, é “como um Bordeaux de outro mundo”. O branco é ainda mais incomum, elaborado com as uvas nativas Obaideh e Merwah — tidas respectivamente como a ancestral da Chardonnay e da Semillon. “Me lembra um bom Borgonha branco ou os Riojas de López de Heredia”, disse Eric Asimov.

Vinhedos espetaculares são a origem das uvas do Château Musar


Paralelamente à qualidade desses vinhos, a história da vinícola em si é admirável e inspiradora. Foi Serge Hochar, proprietário do Château Musar, quem trouxe de volta o glamour dos vinhos do Líbano. Mais que pioneiro desta nova era, ele é um exemplo de determinação. Assumiu há três décadas a vinícola fundada por seu pai em 1959 e não interrompeu a produção, nem mesmo durante a terrível guerra civil (1975-1990) no país, em um incansável e minucioso trabalho de aperfeiçoamento de seu Grand Vin.

Em 1977, Serge finalizou a “fórmula” do icônico Château Musar tinto e, dois anos depois, o britânico Michael Broadbent, um dos maiores especialistas de vinho do mundo, descobriu o Château Musar na Bristol Wine Fair, elegendo-o como “a grande descoberta do evento”.

“Se tiverem de escolher um vinho da parte oriental do Mediterrâneo, muitos citariam o Château Musar do Líbano, o qual um homem extraordinário, Serge Hochar, continuou a produzir durante os anos de guerra civil do país”, dizem os críticos Jancis Robinson e Hugh Johnson no ‘The World Atlas of Wine’.

Vinícola do Château Musar, com todas as facilidades para se produzir um grande vinho

Serviço

Jantar harmonizado com vinhos Château Musar e a presença de Marc Hochar 
Local: Restaurante Arola-Vintetres (Tivoli São Paulo - Mofarrej)
Endereço: Al. Santos, 1437 – Cerqueira Cesar
Data: 11 de junho (terça-feira), às 20h30
Valor: R$ 390,00 por pessoa 
Reservas e informações: (11) 3372 3401

Fonte: Sofia Carvalhosa/Assessoria Mistral
Ver outras Notícias do vinho
2020 Artwine - Todos os direitos reservados