Rioja DOCa aprova a classificação Single Vineyard

21/08/2017

O conselho regulador da Rioja aprovou a criação de uma nova classificação, "Viñedos Singulares" (single vineyard) que vai permitir aos enólogos destacar o terroir e a origem de seus vinhos – mas ainda precisa cuidar da questão do nome de aldeias específicas no rótulo.


O Consejo Regulador da Rioja (DOCa) votou ontem para aprovar a classificação, dizendo que esse reconhecimento é uma resposta ao crescente interesse do mercado pela origem dos vinhos.

Acrescentou que trataria "muito em breve" da questão do município – aldeias e subzonas que atualmente não são permitidas nos rótulos.

A iniciativa é a culminação de uma antiga batalha pelo terroir espanhol (https://www.thedrinksbusiness.com/2016/04/the-battle-for-spanish-wine/) entre o Conselho Regulador da Denominação de Origem Designada (DOCa) e mais de 150 produtores, que alegam que o atual sistema de apelação "não leva em consideração diferenças de solo e níveis de qualidade", pedindo "mudanças profundas" para realçar a herança histórica do país e impedir que se preze mais a quantidade do que a qualidade dos vinhos.

O sistema atual surgiu no final do século 19, e desde então gerou um sistema e uma mensagem de marketing no qual o envelhecimento em barrica é visto como o padrão de qualidade, modelo copiado por outras regiões da Espanha.

O movimento pelo single vineyard da Rioja (https://www.thedrinksbusiness.com/2012/01/single-vineyard-rioja-enters-the-spotlight/) tem ficado cada vez mais em destaque, principalmente na última década; entretanto, em janeiro de 2016, mais de 150 pessoas ligadas ao vinho entre enólogos, comerciantes e escritores, assinaram um manifesto exigindo um reconhecimento maior pelo terroir da Espanha. 

O manifesto "Matador Club", criado pelo enólogo Telmo Rodriguez (http://www.thedrinksbusiness.com/2016/01/trade-rallies-together-in-defence-of-spanish-terroir/), pedia uma "estrutura piramidal" que classificava os vinhos feitos em qualquer parte da região na base, vinhos de aldeia num patamar acima e vinhos de vinhedo único no alto.


Entre os signatários do manifesto estavam Juan Carlos Lopez de Lacalle, da Artadi (que depois se afastou do DOCa em função desse assunto) (https://www.thedrinksbusiness.com/2016/02/rioja-consejo-reacts-to-artadi-exit/), Miguel Angel de Gregorio da Finca Allende, Peter Siseck da Pingus, Jesus Barquin da Equipo Navazos, e o escritor Victor de la Serna.

Nova classificação

A classificação viñedos singulares surgirá adicionalmente às classificações "de idade" já existentes para os vinhos da Rioja: Crianza, Reserva e Gran Reserva, e Joven.  Nessa classificação, os produtores terão de justificar a "delimitação natural" do vinhedo, com uma permissão de rendimento do vinhedo 20% inferior ao autorizado para o DOCa.

Ambição por espumantes

Pela primeira vez, o DOCa também adaptou suas regras para apoiar a criação de vinhos espumantes brancos e rosados de qualidade, determinando que os vinhos sejam feitos segundo o método tradicional e envelhecidos no mínimo por 15 meses, ou por 36 meses num escalão superior.

A evolução das regras do DOCa dá continuidade à sua decisão de revisar as tradicionais categorias Reserva e Gran Reserva para garantir um tempo mínimo na garrafa, uma regra que deverá entrar em vigor em 1º de janeiro de 2019.

(Notícia publicada originalmente na newsletter do site The Drink Business)

Ver outros Artigos e Reportagens
2019 Artwine - Todos os direitos reservados